CERVEJA | 500 anos da Lei de Pureza Alemã

cerveja_pureza

No último sábado, dia 23 de abril, comemorou-se meio século da promulgação do documento Reinheitsgebot ou “exigência da pureza”, que costumamos chamar de Lei de Pureza da Cerveja Alemã. Ela orienta que apenas quatro elementos podem ser utilizados na elaboração da bebida: água, malte de cevada, lúpulo e levedura.

Alguns estudiosos dizem que a Lei se baseia no decreto do Duque Guilherme 4º da Baviera, que naquela época queria proteger os consumidores de produtos que pudessem conter ingredientes tóxicos. Já Michael Jackson, autor do Guia Ilustrado Zahar Cerveja, conta que há 500 anos a cerveja de trigo era muito comum na Alemanha, o que causou a escassez de pão. Para reverter essa situação, proibiu-se que se usasse outro cereal, que não a cevada, para fazer cerveja, o que deu à cerveja bávara uma garantia de pureza que foi uma grande vantagem comercial na época. Já outro estudioso, Marcio Beck, lembra que a lei original não tinha nem nome, nem incluía as leveduras – já que só no século XIX elas foram reconhecidas como fundamentais para a fermentação, por Louis Pasteur. Além disso, só em 1918 ela foi batizada de Reinheitsgebot.

Independentemente da motivação para a criação da Lei de Pureza, o mundo cervejeiro só teve a ganhar e até hoje a qualidade dos exemplares bávaros é inquestionável. A Paulaner, a marca de cerveja mais festejada da Alemanha, trazida ao Brasil pelas importadoras Porto a Porto e Casa Flora, elabora suas cervejas segundo essa Lei.

 Paulaner: de onde vem e do que é feita

Além de ter mais de 300 anos de história, a marca conseguiu aproveitar o máximo da tecnologia sem perder a tradição. A Paulaner é feita na Baviera, estado ao sudeste do país, cuja capital é a efervescente Munique, onde a arquitetura contemporânea mescla-se à medieval com direito a castelos de conto de fadas. No inverno, o frio é intenso e excelente para esportes nos Alpes; na primavera, o verde reaparece e os bávaros festejam com a Oktoberfest. Dizem que a população consome mais de 100 litros de cerveja por pessoa ao ano.

A cervejaria Paulaner foi fundada em 1634, pelos monges do monastério São Francisco de Paula. Hoje é a maior cervejaria de Munique e também a maior produtora de Weissbier (cerveja de trigo) da Alemanha, além de ser a mais vendida do país europeu. Todas as cervejas Paulaner são feitas de acordo com a Lei de Pureza, utilizando-se somente cevada da Baviera, leveduras de cultivo próprio, lúpulo de Hallertau (uma área da Baviera listada como a maior área de cultivo de lúpulo do mundo) e água pura glacial da fonte de 240m de profundidade.

Já provou? Então confere as sugestões.

 Paulaner Müchner Hell

Original bx

Cerveja feita de Puro Malte de cevada. Estilo Munich Helles e tipo de fermentação LAGER (baixa fermentação). Apresenta coloração amarelo-ouro, leve com aroma de malte de cevada e lúpulo, amargor equilibrado e muito refrescante. Harmoniza com aperitivos, saladas e pratos leves. A graduação alcoólica é de 4,9%.

 Paulaner Hefe-Weissbier Naturtrüb

Naturtrub nova bx

Umas das Weissbiers alemãs mais consumidas do mundo, elaborada com 60% de malte trigo e 40% de cevada, naturalmente turva. Estilo German Weizen e tipo de fermentação ALE (alta fermentação). Apresenta aromas frutados provenientes da levedura. Em boca destacam-se as notas de frutas amarelas, refrescante com boa acidez e amargor equilibrado. Harmoniza com entradas, saladas, peixes, aves, salsichas brancas, queijos meia cura e sobremesas a base de frutas. A graduação alcoólica é de 5,5%.

 Paulaner Salvator

Salvator bx

Foi a primeira cerveja da Paulaner fabricada pelos monges para consumo durante o jejum da Quaresma e por isso recebeu o apelido de “pão líquido”. Estilo Doppelbock e tipo de fermentação LAGER (baixa fermentação). Apresenta aromas de caramelo, lembrando amêndoas e nozes. O álcool está bem inserido no conjunto e delicadamente equilibrado por lúpulos nobres. É escura, forte e com personalidade. A graduação alcoólica é de 7,9%.

Gostou? Deixe um comentário: