CUTELARIA | De forja, farda e faca: o maestro afiado Eduardo Berardo

Queridos amigos e leitores! Temos andado pelo Brasil afora e às vezes fora dele também, nesta caminhada afiada! Agora convido-os a conhecer Eduardo Berardo, Capitão da Polícia Militar de São Paulo, cuteleiro profissional multipremiado, incluindo o título de Mestre Cuteleiro (Maestro), outorga concedida pela Associação Italiana de Cuteleiros em Milão/IT em 2009.

Eduardo Berardo é um dos queridos amigos que integra a minha família afiada e com muito prazer vou contar um pouco de sua história! O menino “Du”, como os amigos o chamam, nasceu em 26 de maio de 1971 no interior de São Paulo, filho do “seu” José Francisco, o Bera e D. Ana Maria, mano da Ana Lucia e do Guilherme. Hoje o capitão Berardo é pai dos lindões Enzo, Francisco e Benício , sendo casado com a Raquel.

Pois o seu Bera (pai) e o tio, o popular Barão, adoravam caçar e pescar, tendo o menino Du, que nesta época adorava ganhar facas e canivetes, por companheiro. Ao completar 10 anos ele ganhou uma faca nova, industrial, do modelo “acampamento” da Tramontina. A danada da faca foi “acampar” no dorso do pé do pequeno Bera, cravada numa distração do garoto apaixonado pelo presente. O pai retirou a faca com cuidado, aplicou uma compressa e logo nosso artista estava faceiro, brincando de novo, seguindo a pescaria.

A faca se perdeu pela vida mas o menino Du se encontrou , como homem, pai, cuteleiro e oficial do exército. A carreira militar iniciou em janeiro de 1993 e a de cuteleiro em dezembro de 2004, após uma visita ao grande Luciano Dorneles, um mestre cuteleiro de renome internacional que escolheu Nova Petrópolis/RS como sua cidade.

Du se encantou vendo os obras afiadas do Índio, como Luciano é chamado pelos amigos. E voltou para casa fazendo “curso por telefone” com seu primeiro mestre, que pacientemente o ajudou.

Já em abril de 2005, voltou a Nova Petrópolis para outra visita, onde ficou 15 dias assistindo as barras de aço virarem maravilhas afiadas na mãos sábias do Journeyman Smith Luciano Dorneles.

Na sua primeira oficina, a bigorna do futuro cuteleiro Du era um pedaço de trilho de trem e sua lixadeira feita por ele mesmo. As facas eram usinadas na lima, algo que determina se o cuteleiro de fato gosta do riscado, por conta do trabalho e desgaste físico causados.

Ainda em 2005, após criar sua 16ª peça, foi premiado como o Melhor Iniciante no então São Paulo Knife Show, hoje Salão Paulista de Cutelaria.

2006 foi outro grande ano!  Du vendeu sua primeira peça para os EUA , filiou-se à American Blade Society (ABS) e voltou a Nova Petrópolis para fazer curso de damascos com seu mestre Luciano. A partir de então os prêmios se multiplicaram, de Nova Petrópolis a Sorocaba, São Paulo (Mostra Internacional e Salão Paulista), Sorocaba (Feira Anual de Cutelaria Artesanal)  e o título de Maestro (Mestre) em Milão/Itália em 2009.

Hoje são quase 30 troféus em várias categorias como Melhor Damasco, Melhor Faca de Cozinha , Melhor Faca de Arte, Rústica, Bowie e por aí vai. Suas facas são disputadas por chefs de cozinha, caçadores, colecionadores ávidos por uma adaga, uma espada, uma bowie, uma peça única que recebe um pedaço da alma do artista.

Em setembro de 2009 mais um investimento na carreira, o curso de cutelaria avançada nível II com o o Master Smith Rodrigo Sfreddo, também morador de Nova Petrópolis (será que é a água desta linda cidade gaúcha?).

Uma coleção não pode ser chamada de séria se não contemplar uma ou mais peças deste craque, na acepção da palavra. Seu uso de materiais nobres e muito bem escolhidos, como marfim de mamute, girafa, cervo, madeiras estabilizadas, seus damascos fantásticos e seu estilo agressivo, leve, funcional sempre se destacam nos grandes eventos nacionais.

Suas palestras para um público militar ou apreciadores da nobre arte afiada lotam os espaços disponíveis por onde anda, assim como seus cursos são muito procurados. As facas com sua assinatura são reconhecidas apenas pelo aspecto ou assinatura visual pelos que frequentam o meio afiado, bem como a elegância mesclada com robustez e funcionalidade e uso de materiais premium o distingue.

Também é autor do livro Tocando o Extremo Sul, onde conta sua aventura sobre 2 rodas, percorrendo 14.500km em 2005 em 4 países da América do Sul indo até a Terra do Fogo em 1999! Faixa preta de judô, paraquedista, mergulhador, escalador, Mestre Cuteleiro…ufa!

Um amigo ! Um irmão de aço! Este é o nosso artista. Conheça seu trabalho em http://berardofacascustom.blogspot.com.br/   e https://www.facebook.com/eduardo.cenevivaberardo.

Roberto Vianna é personal chef, com foco em cozinha mediterrânea. Tem experiência em harmonização de vinhos, espumantes e cervejas premium. É designer e colecionador de cutelaria artesanal e gestor de pessoas.
  • . (6)

Gostou? Deixe um comentário: