CUTELARIA | O ano afiado de 2014!

A cutelaria artesanal segue crescendo devagar e sempre, quer no Rio Grande do Sul, quer no Brasil e mundo afora.

Bom dia leitores D’As Boas Coisas da Vida!

Semana passada a Associação Gaúcha de Cutelaria foi contemplada com um terreno para construir sua sede dentro do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, onde ministraremos cursos, realizaremos nossos encontros e feiras.
Dias 26 e 27 o ano afiado começa em SP na III MOstra Internacional de Cutelaria!

Hoje temos algumas dezenas de profissionais vivendo desta arte maravilhosa, a produção de facas artesanais, a ferramenta útil mais antiga da humanidade!

Com minha faca eu sobrevivo, me alimento, me protejo, construo um abrigo, produzo material de pesca, caça, e sobretudo faço o que mais me encanta em seu uso:
alimento pessoas!

Quando comecei a estudar gastronomia com mestres como Alex Atala, Sergio Arno, Roberto Ravioli, D. Nelsa do Xapuri e outras feras do ramo, não imaginava que esta seria minha profissão, que me apaixonaria tanto pelo uso de minhas facas com a finalidade divina de alimentar pessoas.

Hoje quando parto para realizar um evento, seja elaborando pratos da cozinha Italiana, Portuguesa, Espanhola, Francesa ou Brasileira, antes mesmo de pensar nos ingredientes começo a separar as “meninas”, as minhas companheiras!

Vou levar aquela, aquela outra e….ah! Aquela não pode faltar!
Os contratantes já pedem que eu reserve um tempo para usar as facas ao vivo, perto dos comensais, pois sabem o quanto o tema magnetiza as pessoas, como um bartender quando joga a coqueteleira para o alto!

Ter a ferramenta pronta, afiada e apta a exercer sua função é uma das partes mais prazerosas deste trabalho. Vê-las deslizar sobre cebolas, alhos, carnes e sentir o trabalho fluindo, pleno de resultados é algo que só quem dedica algum tempo para o assado de final de semana, a refeição em casa ou o evento profissional pode mensurar!

Ao final, ver os convidados satisfeitos rodeando a praça de cozinha para comentar os pratos, conversar sobre as facas e utensílios utilizados é algo mágico!

Neste instante lembro do velho craque Di Stefano, que erigiu um busto na forma de bola com a seguinte inscrição abaixo: Gracias, vieja (Obrigado,velha)!

Assim sou eu com minhas facas, que já me levaram a tantos rincões deste Brasil!

Ao cabo de cada evento, é hora do banho, da secagem, eventualmente óleo e de colocá-las nos estojos de transporte.
Ao chegar em casa, mais uma olhada em cada uma e o agradecimento por mais um evento bem sucedido!

Minhas facas nunca me abandonaram, como companheiras fiéis, sempre prontas para fazer companhia, espantar a solidão, receberem seu óleo, polimento e afiação, nas horas mais solitárias, lembrando-me que posso sempre contar com elas!
Colaborar com os cuteleiros que por ventura solicitem minha opinião de cozinheiro e usuário diário de boa faca é outra gratificação enormemente gratificante!

Ver facas partindo rumo aos novos donos com detalhes e sugestões minhas as seus criadores, que no uso farão a diferença é alegria!

Dia 7/4 estivemos (as facas e eu) em Bagé, elaborando a paella de Cordero & Cordero para 150 bocas famintas! Que grande momento!

Na Páscoa, é hora de preparar polvos, lulas, camarões, salmões e mariscos!

Então, assim como agradeço aos meus mestres, a elas repito o gesto: Gracias, viejas!

Gostou? Deixe um comentário: