HOBBIES | Arquitetura e café

Parque Lage

Uma das coisas que me dão muito prazer na vida é tomar um café em um lugar bonito. Quando esse lugar tem uma história por trás, melhor ainda. Em um dia nublado, de temperatura amena, resolvi tomar café da manhã em um palacete localizado no Parque Lage, no Rio de Janeiro. O parque em si já é um passeio agradável, de paisagem bucólica, onde se pode fazer introspectivas caminhadas em meio a mata.

Leia também:
CAFÉ | Um café com história

Trilha do Parque Lage

Trilhas do Parque Lage (fotos: Juliana Litwinski de Oliveira)

Pode-se visualizar diversas vertentes paisagísticas no local: os elementos românticos usados no século 19, como lagos, pontes, coreto e gruta, que compõe uma atmosfera fantasiosa. As vastas áreas de vegetação, no orgânico estilo inglês de fazer parques, que tenta mascarar ao máximo a intervenção humana. E o conhecido estilo francês (conhecido porque é só lembrar das imagens dos jardins de Versalhes para reconhecê-lo), em que a natureza se submete à geometria e as formas bem desenhadas por meio de canteiros retangulares e palmeiras estrategicamente posicionadas.

O coração desse parque é o palacete construído no ano de 1927 a mando de Henrique Lage para agradar a sua esposa, a cantora lírica italiana Gabriela Besanzoni. O arquiteto Mario Vodret, projetou uma residência neoclássica de estilo eclético, isso quer dizer que traz todos os elementos que caracterizam uma edificação que nos remete a contos de fadas, misturando elementos que são conhecidos desde a Roma antiga com ornamentação rica e adornos feitos para impressionar.

O palacete do Parque Lage

O palacete do Parque Lage

A imponente fachada principal ostenta um lindo pórtico com escadaria (digna de uma Cinderela esquecer seu sapatinho) que dá acesso ao pátio interno, configurando uma planta voltada ao centro da edificação, simétrica e funcional – elementos usados com profusão das composições de plantas do século 16, principalmente pelo arquiteto Andrea Palladio, figura ilustre da arquitetura de sua época e conterrâneo de Mario Vodret e da musa inspiradora dessa obra.

Parque Lage

Pórtico de entrada

O palacete tem todos elementos construtivos e de composição que tem direito, com compartimentos bem decorados, colunatas com arcos em sua área central, colunas em pedra polida, elementos em mármore, ladrilhos italianos e adornos florais em cimento. A atração principal, o pátio, abriga uma piscina retangular, que servia de cenário para as apresentações da Gabriela em festas que recebiam aristocratas no melhor estilo do início do século 20.

 

Pátio interno

O jardim a sua frente completa a paisagem para gerar uma bela foto. Projetado pelo mesmo arquiteto ao belo estilo inglês, conta também com um eixo de simetria que se faz desde a fonte no centro até o pórtico de entrada do palacete (característica marcante do estilo francês e motivo de eu ter denominado esse projeto como de estilo eclético). Essa fonte é envolta em canteiros de grama bem aparada e bancos que nos convidam a tirar um momento para apreciar a bela paisagem com o cristo ao fundo.

Fachada principal

Fachada principal e Cristo, lá no alto

E o café? Bom a cafeteria está inserida no pátio da edificação, com charmosas mesinhas colocadas na varanda formada pela colunata à beira da piscina. Tem um convidativo ambiente e, se pararmos por um momento, pode nos remeter ao glamour da vida aristocrática de dois séculos atrás.

O café

O café

Quer saber mais sobre o Parque Lage? Olha só o que uma jornalista escreveu sobre ele: 
CAFÉ | Um café com história

 

  • Parque Lage
  • Pátio interno
  • Detalhes
  • Juliana Litwinski de Oliveira, arquiteta

Gostou? Deixe um comentário: