VIAGENS | Hautvillers: a cidade onde nasceu o Champagne

Hautvillers, conhecida como o berço do Champagne, fica a cerca de uma hora e meia de Paris (140km). E quando se chega a essa cidadezinha, de pouco menos de mil habitantes, você é automaticamente transportado para outro mundo.

A região da Champagne

A região da Champagne foi palco de batalhas e saques há séculos, sendo alvo de tribos bárbaras do Oriente, como os teutões, os cimbros, os vândalos e os godos. Mais tarde, foram os romanos que, em 52 a.c., incorporaram a região a seu império. A influência dos romanos foi determinante para a região, pois foram eles os responsáveis por levarem as primeiras vinhas para lá – e os primeiros a extraírem as pedras calcárias para a construção de estradas e construções. As minas que serviram de fonte para a extração das pedras mais tarde se transformaram em caves, utilizadas para guardar e envelhecer o champagne.

Vinhedos em Hautvillers.

Vinhedos em Hautvillers.

A região também sofreu com a Guerra dos Cem Anos, a Guerra dos Trinta Anos, lutas religiosas e napoleônicas e, principalmente, a Primeira Guerra Mundial, conhecida como a Grande Guerra.  Por isso, caminhar pelas ruas de Hautvillers faz você sentir como se estivesse caminhando em algum lugar do passado. A cidade mantém viva as lembranças do tempo de sofrimento. Em alguns prédios, são feitas homenagens a quem perdeu a vida nas batalhas, como em uma escola infantil que fica na Rua Henri Martin, a principal da cidade, com um pequeno memorial a civis que perderam a vida na Grande Guerra.

Memorial em homenagem aos civis que perderam a vida na Grande Guerra.

Memorial em homenagem aos civis que perderam a vida na Grande Guerra.

Dom Pérignon e a Abadia de Hautvillers

Próximo à essa rua, está o maior patrimônio da cidade: a Abadia de Hautvillers. Foi lá que, durante 47 anos, viveu e trabalhou o monge Dom Pérignon. Com 30 anos de idade, em 1668, ele foi designado para ser o administrador de negócios de Hautvillers, o que incluía a nobre função da guarda da adega da abadia. Na época, o monastério e as videiras estavam totalmente sucateadas. Por isso, a primeira ação de Dom Pérignon foi recuperar as videiras, pois sabia que, para o vinho ser reconhecido era necessário primar pela qualidade do vinhedo.

Abadia de Hautvillers.

Abadia de Hautvillers.

Era na Abadia de Hautvillers que Dom Pérignon trabalhava no desenvolvimento do vinho, ou melhor, do vinho da Champagne, que na época era tinto, sem borbulhas e geralmente turvo. E embora, atualmente, a bebida se caracterize por bolhas finas, na época o monge trabalhou para eliminá-las, já que eram consideradas um defeito. O túmulo de Dom Pérignon está dentro de Abadia e a visitação é livre e gratuita. Vale a pena!

Túmulo de Dom Pérignon na Abadia de Hautvillers.

Túmulo de Dom Pérignon na Abadia de Hautvillers.

Os princípios de Perignon para produzir um bom vinho

Dom Pérignon foi importante também por outro fato. Ele foi o primeiro a estabelecer princípios em busca da qualidade do produto final: usar somente as melhores uvas e descartar as machucadas e pequenas; podar as vinhas no começo da primavera para evitar a superprodução; fazer a colheita no início do dia; prensar as uvas com delicadeza e guardar separados os sucos resultantes de cada prensagem.

No início, esses princípios foram ignorados pela maioria dos viticultores, que produziam a maior quantidade de uvas possível. Com o tempo seus princípios foram incorporados pela maioria dos viticultores da região, que viam os resultados acima da média de quem já havia adotado tais princípios.

Dom Pérignon também foi o primeiro a adotar as rolhas para o fechamento das garrafas. Com essa mudança, ele conseguiu obter a segunda fermentação dentro da própria garrafa.

AU 36: loja especializada em vinhos e local para degustação.

AU 36: loja especializada em vinhos e local para degustação.

Degustando o Champagne

Caminhando pelas ruelas de Hautvillers chegamos à Rua Dom Pérignon, número 36, onde fica o AU 36: uma loja de vinhos e local para degustar champagnes. Degustamos seis rótulos: assemblage, chardonnay, meuniere, millesime, pinot noir e um rosé, acompanhados de comidinhas típicas da região. Existem muitas opções de degustações no local, com mais ou menos rótulos.

Casas identificadas com as profissões dos moradores.

Casas identificadas com as profissões dos moradores.

Outro ponto que chama a atenção na cidade é que muitas casas ainda mantém placas que identificavam a profissão de seus moradores no passado, como costureiros, vinhateiros, ferreiros. Um charme!

Para os amantes do vinho e da história da civilização, a visitação em Hautvillers é imperdível e pode ser feita toda a pé e em poucas horas.

  • AU 36: loja especializada em vinhos e local para degustação.
  • AU 36: loja especializada em vinhos e local para degustação.
  • AU 36: loja especializada em vinhos e local para degustação.
  • AU 36: escolha seu
  • AU 36: escolha seu
  • AU 36: a única foto interna. Fotografias são proibidas dentro da loja.
  • A magnífia AU 36!
  • Nossos escolhidos!
  • Degustação de 6 rótulos na AU 36.
  • As comidinhas locais.
  • IMG_3097
  • Memorial em homenagem aos civis que perderam a vida na Grande Guerra.
  • Abadia de Hautvillers.
  • Abadia de Hautvillers.
  • Abadia de Hautvillers.
  • Túmulo de Dom Pérignon na Abadia de Hautvillers.
  • Túmulo de Dom Pérignon na Abadia de Hautvillers.
  • Memorial em homenagem aos civis que perderam a vida na Grande Guerra.
  • Vinhedos em Hautvillers.
  • Vinhedos em Hautvillers.
  • Vinhedos em Hautvillers.
  • Vinhedos em Hautvillers.

Gostou? Deixe um comentário: