VINHO | O Vale dos Vinhedos também é dos espumantes

Espumante

Assim como os contornos das paisagens do Vale dos Vinhedos vão se modificando à medida que sobem as temperaturas, a preferência pelas bebidas degustadas também vão se adequando ao calor da primavera e do verão. Os espumantes elaborados nas vinícolas do roteiro enoturístico vêm, ano a ano, conquistando um espaço de destaque na preferência dos consumidores, que encontram na bebida o frescor e o terroir da região para desfrutar de momentos de celebração e descontração.

Reconhecido internacionalmente, o espumante brasileiro passa por um salto de qualidade e consumo que pode ser facilmente atribuído ao aprimoramento de tecnologias por parte dos produtores. O resultado final ganha resposta na crescente preferência do consumidor. E dentro dessa predileção está o Vale dos Vinhedos. Todas as vinícolas do roteiro elaboram espumantes, fazendo do local uma referência à bebida.

Cave de espumantes atesta a crescente produção de espumantes no Vale dos Vinhedos (foto: acervo Aprovale)

Cave de espumantes atesta a crescente produção de espumantes no Vale dos Vinhedos (foto: acervo Aprovale)

 

A estrutura dos produtores e o comprometimento com o método tradicional de elaboração, uma das exigências da Denominação de Origem, faz com que os espumantes ganhem destaque. Atualmente, os produtores pensam no cultivo de uvas exclusivamente para espumantes, fato impensável há uma década. O diretor técnico da Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos, a Aprovale, André Larentis, atesta que a qualidade dos espumantes do Vale caminha junto com o terroir da região: “Dentro da Indicação Geográfica Vale dos Vinhedos o espumante vem ganhando cada vez mais representatividade e reconhecimento. Atingimos um altíssimo nível de qualidade, dado as condições de solo e clima propícias para a elaboração e o fato dos produtores do Vale terem investido em tecnologia e estudos aperfeiçoando a técnica de elaboração”, afirma Larentis.

Para celebrar datas especiais e o dia a dia
Junto com as tradicionais festas de final de ano, o espumante invade os lares brasileiros para brindar o início de um novo ciclo. Brut, Moscatel, Demi-Sec e Prosecco são as pedidas para celebrar Natal e Reveillon. Mas o sucesso das produções brasileiras faz com que o consumo seja atemporal. Para Márcio Brandelli, presidente da Aprovale, a procura é elevada durante os 12 meses do ano. “Hoje já não podemos falar que as festividades sejam o ponto alto de vendas dessas bebidas, porque o consumo cresceu gradativamente e proporcionalmente. Todas as estações são apropriadas para o consumo de espumantes”, declara.

O novo queridinho do momento parece ser o Rosé. Com o rosa convidativo que casa de maneira deslumbrante com as borbulhas, a variedade do espumante caiu no gosto principalmente do público feminino. Sofisticação e beleza são as palavras que norteiam o consumo da bebida, que dá um espetáculo visual ainda em suas garrafas com o rosa delicado alusivo ao clima tropical brasileiro. E na elaboração de Rosé, o Vale também é mestre. Algumas de suas principais vinícolas dedicam uma parte de suas produções à bebida. O sucesso é confirmado por Brandelli: “O público gosta bastante da elegância convidativa do Rosé e também do seu sabor”.

Espumante rosé ganha mercado (foto: Gilmar Gomes)

Espumante rosé ganha mercado (foto: Gilmar Gomes)

O reconhecimento ultrapassa fronteiras com a participação em concursos internacionais e onde os espumantes brasileiros não deixam nada a desejar em termos de competitividade com terroirs europeus, por exemplo. Em 2014, 229 premiações foram concedidas a espumantes brasileiros. 39% dessas produções foram provenientes de vinícolas do Vale dos Vinhedos. Para Brandelli, o reconhecimento potencializa as vendas e estimula as vinícolas: “O consumidor brasileiro precisa enxergar a qualidade dos nossos espumantes. Somos reconhecidos internacionalmente, derrubando o mito de que somente o que é importado tem qualidade. Por preços razoáveis, temos à disposição bebidas com toda a identidade brasileira e o terroir do Vale dos Vinhedos. Maior valor agregado que esse, não há”, finaliza, orgulhoso, o presidente da Aprovale.

Gostou? Deixe um comentário: