VINHOS | Rolha natural ou screw cap?

Cork-V-Screw-caps

Sabemos que perante um vinho fechado com rolha natural, o consumidor tem uma grande expectativa em comparação com os outros tipos de fechamento. Mas o tempo é o grande modelador das nossas convicções, a história da rolha de cortiça natural com o vinho tem cerca de 400 anos e a história do screw cap com o vinho tem cerca de 60 anos. Como disse a Baronesa Philippine de Rothschild: “Produzir vinho é relativamente simples, só os primeiros duzentos anos são difíceis.

Leia também:
VINHOS | Screw Cap: praticidade na hora de abrir um vinho

Para nós do Grupo Miolo, a opção de vedar um vinho com rolha natural ou screw cap é uma decisão técnica. Hoje, para proceder o fechamento de uma garrafa de vinho, o enólogo possui várias soluções: rolha de cortiça natural, rolha sintética, rolha de vidro (vino-lok) e screw cap de alumínio. Contudo, as duas principais soluções são a rolha de cortiça natural e o screw cap de alumínio.

Se o objetivo for entregar ao consumidor um vinho próximo daquilo que o enólogo obteve na fermentação e/ou estágio de amadurecimento, o vedante mais indicado para este efeito é o screw cap, que proporciona um fechamento hermético, bloqueando a evolução oxidativa do vinho. Por outro lado, se o objetivo for permitir evolução, a decisão será vedá-lo com uma rolha de cortiça natural que permite uma mudança positiva no tempo. O screw cap é uma redoma, a rolha de cortiça natural representa transformação.

A cortiça é composta por células de suberina com a forma de um minúsculo prisma pentagonal ou hexagonal, um ácido gordo complexo, e preenchida com um gás semelhante ao ar, que ocupa cerca de 90% do seu volume. Portanto, a cortiça contém oxigênio que migra para o vinho, ajudando este a se polimerizar, a se arredondar, mudando irremediavelmente a sua vida e as suas histórias.

Estudos recentes demonstram que os diferentes tipos de vedantes diferem na sua permeabilidade ao oxigênio atmosférico. Os sintéticos são os que apresentam maiores taxas de entrada de ar, oxidação prematura, seguidos das rolhas de cortiça natural, evolução equilibrada, enquanto screw cap é o que permite menores taxas de entrada de oxigênio, evolução lenta.

Num vedante sintético o ar migra, através de si, de fora da garrafa para dentro do vinho. Numa rolha de cortiça natural o oxigênio migra do interior da rolha para o vinho. Num screw cap sarantin, o do disco interno prateado, não existe migração de oxigênio (screw cap saranex é o do disco interno branco).

wine2

Como adendos informativos sobre rolha de cortiça e tampa rosca:

1. A rolha de cortiça é um elemento 100% natural, 100% biodegradável, proveniente diretamente da casca de uma árvore da família dos carvalhos, o sobreiro. A sua retirada é feita a cada nove anos, sem que nenhuma árvore seja cortada durante este processo. A cortiça dá origem a uma infinidade de produtos, e o principal é a rolha. Cada sobreiro demora 25 anos até poder ser descortiçado pela primeira vez e só, a partir do terceiro descortiçamento (aos 43 anos), a cortiça tem a qualidade exigida para a produção de rolhas. O sobreiro é a única árvore cuja casca se autorregenera, adquirindo uma textura mais lisa após cada extração. Pode ser descortiçado cerca de 17 vezes ao longo de uma longevidade que é, em média, de 200 anos. E não está em extinção, é a árvore símbolo de Portugal. Eu me curvo em deferência perante este elemento natural.

Retirada da cortiça do Sobreiro

Retirada da cortiça do Sobreiro

2. O primeiro screw cap para vinho foi criado pela empresa Stelvin, em meados da década de 60, sob o comando do diretor de produção da vinícola australiana Yalumba, em parceria com uma empresa francesa. O screw cap ganhou espaço no mundo dos vinhos à custa da imprudência dos corticeiros portugueses, os quais no final da década de 90 (boom mundial da produção de vinhos) inundaram o mercado com cortiça de má qualidade, cortiça com problemas de tricloroanisóis, vulgo TCA, composto químico com cheiro a mofo, cartão úmido. No inicio do novo milênio, os britânicos firmaram a sobrevivência do screw cap no fechamento de garrafas de vinho. No Reino Unido, a aceitação dos vinhos vedados com screw cap foi de 41% em 2003 e 85% em 2011.

Os produtores de vinho decidem o tipo de vedação com base em experiências passadas, na filosofia atual, em questões técnicas, custos e as exigências do mercado.

Em suma a rolha é vinha e o screw cap é homem e os quatro são complementares.

(Foto: Emerson Haas, Blog: Eu, Gourmet - www.eu-gourmet.com)

(Foto: Emerson Haas, Blog: Eu, Gourmet – www.eu-gourmet.com)

Miguel Ângelo Vicente Almeida é enólogo da Miolo Wine Group. É natural de Portugal e está no Brasil há sete anos. Já trabalhou em vinícolas em Portugal e na Alemanha. Na Miolo, é responsável para produção dos vinhos da Campanha Gaúcha, onde elaborou os rótulo: Miolo Seleção Pinot Grigio/Riesling, Quinta do Seival Alvarinho, Miolo Seleção Tempranillo/Touriga e Sesmarias.

 

Gostou? Deixe um comentário: