VINHOS | Uma safra de equilíbrios

Colheita - foto divulgação

 Dal Pizzol comemora boa maturação, sanidade e acidez das uvas

A vindima 2014/2015 chegou ao fim para a Dal Pizzol Vinhos Finos com a expectativa de que as uvas colhidas garantam vinhos de excelente qualidade. De acordo com o enólogo da Dal Pizzol, Dirceu Scottá, a safra foi perfeita. “O comportamento climático foi adequado, possibilitando bons vinhos base para espumantes, graças ao equilíbrio entre maturação, sanidade e acidez, ótimos vinhos brancos e excelentes vinhos tintos”, comemora.

O terroir característico das variedades e dos vinhos Dal Pizzol é uma preocupação constante da empresa. Scottá ressalta que as regiões produtoras de André da Rocha, São Jorge, Bagé e Encruzilhada, escolhidas pela vinícola, possuem particularidades que potencializam a produção dos vinhos. O controle de qualidade tem início no cultivo da videira e, para isso, mantém parceria com produtores por meio de acompanhamento técnico realizado pelos enólogos e um engenheiro agrônomo. A assessoria ocorre durante todo o processo, desde a variedade de uva a ser implantada até a colheita. Todos os produtores recebem uma cartilha de procedimentos e práticas para o cultivo da videira. O material dá instruções, inclusive, sobre o limite de produção por planta, variedade e sistema de condução do vinhedo.

Neste ano foram colhidas 12 variedades de uvas, 10% a mais de uvas em comparação a última safra. O destaque ficou por conta da primeira safra de Petit Verdot, considerada de alta qualidade. Destaque também para a Marselan, igualmente originária da França. Algumas das variedades colhidas em 2015 integrarão em breve a carta de vinhos da vinícola, como o Gamay e o Sauvignon Blanc. A partir de maio, os apreciadores dos produtores Dal Pizzol poderão degustar pelo menos uma das variedades. “Ambas estão em processo final de fermentação e início da estabilização para posteriormente serem envasadas e apresentadas ao mercado”, destaca o enólogo.

Sobre a Dal Pizzol

Criada em 1974, a Vinícola Monte Lemos, mais conhecida por Dal Pizzol, surgiu a partir de uma proposta diferenciada que privilegia a produção controlada. Comandada pelos irmãos Antônio e Rinaldo Dal Pizzol, a vinícola elabora anualmente 300 mil garrafas (225 mil litros).

A Dal Pizzol traz consigo uma tradição na vitivinicultura que remonta o Século XIX (1878), quando os primeiros imigrantes da família chegaram ao Brasil. Sua história expressa um talento natural e cheio de experiências, sabedoria e sensibilidade, que lhe permitiu alcançar a qualidade dos vinhos que elabora, através do amor no cultivo de castas nobres, do trato cuidadoso na arte do vinho e de um atendimento personalizado a todos que se relacionam com a Dal Pizzol.

A vinícola faz parte da Rota das Cantinas Históricas, distante 11 quilômetros do centro de Bento Gonçalves/RS. O projeto é composto por propriedades rurais que retratam a vida cotidiana dos imigrantes italianos que se instalaram nas encostas de Faria Lemos e lá cultivam a videira e seus costumes há mais de 130 anos. O passeio possibilita vasto contato com moradores locais que adoram partilhar dos seus saberes e fazeres, visita às cantinas com degustação de vinhos, espumantes e sucos de uva.

 

  • Vinhedos - foto divulgação
  • Dirceu Scottá - crédito Fabiano Mazzotti
  • Colheita - foto divulgação

Gostou? Deixe um comentário: